Home

Globicephala macrorhynchus

Depois de ler, A Mulher Nua, do zoólogo e escritor inglês, Desmond Morris, tive a certeza de que o melhor antídoto contra a arrogância e a onipotência é mergulhar na mente de alguém que consegue ver o mundo como um imensíssimo playground, onde a Natureza brinca de pega-pega, esconde-esconde e outros jogos mais ou menos divertidos de transformação. Neste espaço, longe de ser a “sublime criação do Onipotente”, como escreveria o poeta antiguinho nas páginas amareladas, os seres humanos são apenas parte da brincadeira e a bola, sinto dizer, não é de ninguém…é do campo!

Virando as páginas do livro, vou descobrindo uma humanidade feita de concretudes, nada a ver com a aquela urgência de virar um puro espírito ainda nesta encarnação. Esta humanidade biológica guarda em suas às vezes meio desajeitadas tentativas de adaptação algo de tranqüilizador: não importa o que façamos, nem importa quais são nossos sonhos, o volume da nossa conta bancária nem o quão poderosos possamos nos considerar, no final, somos uma equação quase perfeita, uma espécie bem sucedida, um experimento apenas satisfatório da Natureza, nós e as abelhas…

Uma espécie muito adaptável
Aprendo no livro que o segredo do nosso sucesso como espécie é “a capacidade de viver em agrupamentos cada vez maiores”, onde procriamos em condições que qualquer outro macaco decente julgaria insuportáveis, ou seja, do ponto de vista biológico, a gente aceita tudo, muito mais do deveria….O fator número dois do incrível desempenho dos homo sapiens é nossa curiosidade…é ela que nos empurra para frente, e é graças a ela que dizemos sim primeiro e depois é que vamos pensar no que fazer..

…e brincalhona!
Nosso zoólogo vai além e faz poesia em vez de ciência quando nos define como uma espécie brincalhona por excelência: “Outros animais brincam enquanto são jovens, mas perdem esta qualidade quando amadurecem. O homem continua brincando e se divertindo por toda vida – é um Peter Pan que nunca cresce”. Neotenia, é a palavra científica boa para caracterizar este nosso lado brincalhão. É claro que vamos mudando de paladar em relação às nossas brincadeiras favoritas à medida que crescemos. Chamamos o jogo de arte, de futebol, de música e, viva!, podemos nos divertir, explorar, correr riscos, criar, certos de que estamos fazendo o melhor possível pela nossa sobrevivência como espécie.

E fico pasma ao pensar que não adianta buscar no nosso lado racional, sério e lógico as razões do nosso brilhante desempenho. É nossa capacidade de diversão que nos torna tão bem resolvidos como as abelhas..sim porque vocês hão de concordar comigo, abelhas e formigas são imbatíveis: quando tudo o mais falhar, as abelhas vão estar lá produzindo mel e as formigas vão carregar nossos restos reduzidos a pó para dentro de seus organizadíssimos formigueiros….

Coisas que você pode saber sobre nós, mulheres, só pelos cabelos
E, embora o livro percorra todo o corpo feminino, fiquei muito impressionada com a quantidade de informações sobre nós que os cabelos oferecem aos cientistas…

Por exemplo, você tem alguma idéia de por que temos tanto cabelo? Ou, mais especificamente, por que a fêmea humana desenvolveu esta cabeleira? Então divirta-se com a idéia de que esta é uma característica que compartilhamos com os galos e com os leões. Nossa farta cabeleira nos distinguia de todos os outros macacos. Ainda mais se a gente imaginar que proporcionalmente aos outros primos símios, nosso corpo quase não tem pêlos. Éramos exóticas e inconfundíveis criaturas brancas com tufos de cabelos ondulando ao vento.

E por que somos imberbes? Bom, ser imberbe é uma característica dos fetos dos macacos. Adultos são tradicionalmente peludos. Menos nós. Está certo, alguns homens ainda preservam uma certa cobertura capilar, mas nada que proteja ninguém numa noite de inverno na Sibéria. Que bizarros seres!

Alguns estudiosos acreditam que perdemos os pêlos para poder nadar. E que os longos cabelos das fêmeas humanas eram perfeitos para os bebês humanos agarrarem, sobretudo quando ambos mergulhavam, em busca de comida.

Além disso, somos seres diurnos, por mais que muitos de nós se vejam como criaturas da noite. E caçávamos durante o dia. Portanto, a outra hipótese para esta falta de pêlos de um lado e excesso de outro é que os cabelos protegiam as cabeças humanas do sol e o corpo despelado ajudava a gente a não sofrer tanto com o calor das savanas da África. Ah, sim, nascemos na África, provavelmente todos nós, só depois fomos nos espalhando…

Excesso de bagagem
E neste caminhar meio que sem eira nem beira dos nossos ancestrais íamos adquirindo outras características inusitadas, burilando nossa incipiente humanidade. Humanos dos trópicos, humanos polares, humanos do deserto…Digamos que você fosse um homo sapiens do deserto, filho de uma longa cadeia de outros homo sapiens do deserto. Ao longo dos séculos, você teria adquirido algumas peculiaridades muito úteis, como uma pele mais resistente ao sol ou uma incrível familiaridade com os vizinhos, no caso, os camelos, por exemplo. A meta da Natureza é preservar, é empurrar para o futuro seus rebeldes filhos…era, portanto, fundamental que a gente conseguisse distinguir as criaturas bem adaptadas aos vários ambientes, certo? Quem quer casar com um humano polar que pega um resfriado toda vez que a temperatura cai a 20C?

Pois, então entra em cena a Natureza e improvisa um pequeno milagre. Sim, daqueles bobinhos e simples, truque banal, indigno mesmo dos espantosos poderes da Grande–Mãe: assinalar estas mudanças com sinais vistosos e de grande efeito: alguém pensou nos cabelos? Acertou…

Daí nasceram nossos cabelos escuros e grossos ou fininhos e loiros, ruivos para se destacar nas paisagens desérticas, escuros e lisos para deslizar pela neve. E com certeza teríamos por aí formidáveis criaturas de cabelos verdes ou azuis (naturais, é claro!) se não fosse nossa pressa…

Lá pelas tantas, começamos a viajar de um lado para o outro. Cruzávamos o planeta apenas por diversão ou por curiosidade. E uns e outros se apaixonavam do lado de lá, e acabavam ficando…Inúteis nossas distinções que agora, só vão atrapalhar, separar, dividir quando já ninguém precisa mais disso. Ar-condicionado no verão, calefação no inverno, fogueiras de São João e leques, quem precisa destas obsoletas vantagens adaptativas? Pois é, quem diria, pensou a Mãe-Natureza, esses meninos afobados!!!!!

Cabelos longos e a loira que mora em nós
Mas a gente gostou da brincadeira e resolvemos aderir. Penteados, perucas, tintas…sempre digo para meu cabeleireiro que a cabeça é um maravilhoso campo de experimentação. E quando mudar de vida é difícil, por que não mudar de cabelo?

Presos, soltos, os cabelos femininos são o máximo…os cerca de 140 mil fios que crescem uns 13cm por ano constituem o maior atributo de feminilidade da raça. E são inegavelmente atraentes para nossos parceiros! Daí que mesmo quando a gente inventa cabelos curtíssimos, isso não é senão uma outra forma de provocação. É como dizer: “viram? Não preciso de cabelos longos para ser atraente…”

Segundo o zoólogo, no entanto, a estratégia não funciona. Sex appeal é cabelo longo, esvoaçante, ondulado feito capim na paisagem ensolarada… Tanto é que em algumas comunidades religiosas, ao longo dos milênios, a prudência mandava escondê-los, como solução infalível para neutralizar o poder erótico da cabeleira selvagem da fêmea humana!

E, antes que você se canse e vá embora procurar outras diversões virtuais, mais um comentário muito elucidativo, prometo! Já entendemos a competência sedutora dos cabelos femininos, mas e as loiras. Existe alguma explicação para o fascínio das loiras?

E a resposta é sim. Uma primeira razão é que os cabelos loiros são mais finos e leves, suaves ao toque, exatamente como o dos…bebês! Vamos lá, a grande maioria dos bebês tem a pele mais clara do que a de seus pais, os olhos mais claros, a pele mais fina, não é? Então podemos imaginar que as loiras passam uma imagem mais infantil do que as morenas, certo?

Agora, vamos examinar nossos parceiros masculinos. A natureza, prevenida, achou por bem dotá-los de alguns equipamentos adicionais para garantir que eles cuidassem como deviam dos filhotes da raça. Nesta mochila de viagem biológica está uma reação entusiasmada à simples visão de um bebê macio e fofo. A loira vulnerabilidade das loiras, artificiais ou não, é simplesmente irresistível para os machos da espécie!

Mistérios da menopausa
Pois é, foi mesmo uma viagem anatômica esta leitura…e os comentários do zoólogo vão traçando novos e inusitados mapas sobre a nossa pele humana. E ainda que você não tenha nenhuma intenção de virar loira, é divertido entrar no jogo da Natureza. Também não faz mal para ninguém de vez em quando lembrar de onde viemos e para onde queremos ir…

Agora, fiquei pasma mesmo quando, entusiasmada com o autor de O Macaco Nu, comecei a procurar no Google as razões evolutivas para a MENOPAUSA! Descubro que só as fêmeas humanas e uma espécie de golfinho (os Globicephala macrorhynchus) passam por isso. As outras fêmeas mamíferas simplesmente vão envelhecendo, envelhecendo, assim ‘inteiras’ e um belo dia morrem…nosso aparelho reprodutor, ao contrário, pára de funcionar muito antes do resto do corpo estar pronto para dizer ‘cai o pano’. 

Junto, talvez, com as golfinhas imensas que nadam nas águas menos frias dos oceanos do norte do planeta, somos as únicas fêmeas preparadas biologicamente para virar ‘avós’.

E, acreditem, essa é uma das possíveis explicações científicas para fenômeno tão raro. As avós revelaram-se tão úteis no cuidado dos filhotes que viraram padrão da espécie!  Assunto, sem dúvida para uma próxima conversa nossa porque acabei de encomendar o livro Grandmotherhood: The Evolutionary Significance of the Second Half of Female Life, compilação do trabalho de vários pesquisadores sob a bandeira da Rutgers University Press…Depois conto aqui neste blog…

Essa fronteira do conhecimento onde homens e animais se encontram é ou não é fascinante?
O livro não é novo, mas é ideal para ler naqueles dias em que você acorda de dedo em riste e achando que sabe mais do que qualquer um sobre todas as coisas….A Mulher Nua, Desmond Morris, Editora Globo

___________________________________________________________________________________

A foto mostra um grupo de golfinhos e é da Pilot Whale Organization. Quem sabe se alguns deles não serão já avós?

Anúncios

Um pensamento em “A mulher nua, a menopausa e os golfinhos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s